terça-feira, 7 de abril de 2015

Sou Vereador do Povo, e para ele vou legislar


"Reportagem  de  Coruja do Vale do dia 07-04-2015"


A população de uma forma generalizada desconhece as funções de uma administração municipal, desde o Executivo (prefeito e vice), até as atribuições e responsabilidades de um vereador.

Geralmente no primeiro exercício de um parlamentar (político ativo na ocupação do cargo eleito).
Este exerce na maior parte dos atos, com idealismo, ainda novato nas maldades e técnicas da politica, tornam-se polêmicos e o povo é realmente sua prioridade, até mesmo sem conhecimento literal daquilo que lhe compete.
 Portanto não fogem de suas responsabilidades e compromissos firmados com seus eleitores.

Há vereadores que não têm formações universitárias ou até mesmo o segundo grau completo, o que não impede de ser um excelente legislador da população.

A experiência, a observação e o exercício os colocam em posições de visões, teorias e práticas no decorrer de suas atividades. Tornando-os catedráticos em políticas.

O pivô desta reportagem é o Vereador Ivan Pereira Miranda, homem de índole forte e um defensor nato dos desprotegidos.

Ivan, contesta, detesta a desigualdade, repudia o abuso de autoridade, e irrita com o descaso.
Segundo Ivan Pereira Miranda, ingressou na politica, motivado por companheiros, pois em conversas e bate-papos, comentava sua visão nos erros e prepotências dos mandatários em sua cidade, desconhecendo os direitos da cidadania da população de baixa renda, ou de classe social distanciada dos opulentos. Principalmente os habitantes da zona rural, onde viveu da infância à adolescência, convivendo com os problemas da sobrevivência.

O Vereador

Já eleito, sendo um vereador do mesmo partido da prefeita (nas eleições), porém distante do grupo, Ivan vinha buscando, atender seu povo e de certa forma aqueles que lhe apoiou no pleito, tornando-o um vereador que fora eleito para legislar em prol da cidade.

Segundo Ivan, em hipótese alguma, deixaria de aprovar projetos que trouxesse beneficio para a população.

 Mesmo achando a administração individualista e imperadora aprovaria qualquer projeto de interesse populacional, mas não deixaria jamais de questionar a comprovação do benefício.
Na entrevista o Vereador, informou- Me consideram polêmico, até mesmo me qualificaram como político incompetente, isso não é verdade, posso provar no meu exercício, a minha capacidade. O que não afirmo é que tenho cursos técnicos de administração, contabilidade ou universitários, mas não me torna um ignorante, sou sim desconhecedor de algumas leis, mas não sou um infantil, sem cultura ou inocente para não entender as lógicas da legalidade.
Tanto, que quando percebo algo que me levanta suspeita da seriedade ou da veracidade, busco logo as justificativas com explicações claras e o regimento das leis, porém aí é gera atrito, pois sonegam as informações detalhadas.

Mas isto também vai acabou, pois estou tomando providencias para entender melhor as facilidades de falcatruas e desonestidades. Para entregar para a população aquilo que é direito e de minha responsabilidade como legislador.
Sou um dos culpados da cidade estar  neste caos, pois não insistia nas comprovações de minhas suspeitas. “Muitas vezes quando indagava,  a resposta era “isto é assim mesmo” ou então não tem jeito”.
Mas participando de congressos, seminários e reuniões, passei  analisar melhor e buscar com entendidos e peritos no assunto a clarividência para deixar claro de vez a autenticidade ou ilegalidade.

Muitas vezes afastei dos problemas, acreditando que sozinho não conseguiria acertar os desacertos da administração, assim como a omissão da câmara dos vereadores a qual faço parte.

Já disse em público e repetirei sempre, esta administração é prepotente, imperadora e arrogante, me provocando coações, caso eu não aprovasse os projetos de interesse da Administração, minhas filhas e parentes contratados seriam exonerados dos cargos ocupados.

Minha resposta sempre foi a mesma, “que sejam dispensados”, são profissionais e não devem ser subjugados, ou eu subornado para aprovações indevidas ou desinteressante à população.

São várias reivindicações que já solicitei da Câmara e da Prefeitura, sem resposta, mas estou ciente agora que, para cada caso, há uma providência e recursos, como no caso de Ouvidorias, Procuradorias, além dos Ministérios Públicos, sem contar com o CGU e CGM.

Dentro do período de minha ocupação na Câmara só tenho um feito, me atendendo em benefício popular. Que foi a pavimentação da ladeira de Duas Barras, que dá acesso a várias comunidades, como Americaninha, Bom Sucesso, Esperança, etc. O que fico agradecido, embora isso nada mais é do que obrigação do Sistema Administrativo.

Recentemente solicitei a justificativa da contratação de veículos terceirizados, que cobram R$ 3,00 por km rodado, e não entendi ainda ou me foi comprovado com a documentação e calculo desta necessidade.

Discordo plenamente, da abertura de uma estrada nova, ligando ao Córrego do Meio, sendo esta só trás beneficio ao proprietário do Trator que operou na abertura, sendo que a antiga trás beneficio coletivo aos residentes daquela zona rural, com o escoamento de seus produtos.
São várias providências que tenho que tomar para tornar real minha função de responsabilidade de vereador do povo.

Afirmo em voz clara e alta, sou povo, vereador do povo e para o povo é que luto.
Sei que esta entrevista não termina aqui, pois tenho muito mais informações para tornar pública por meio da imprensa. Mas com certeza de agora em diante estarei mais atento e presente no que diz respeito dos benefícios da população.

Aliado ou isolado, estarei buscando soluções mesmo que tenha que mobilizar autoridades federais ou partidárias.

"Repórter  Metzker"

Nenhum comentário:

Postar um comentário