domingo, 12 de abril de 2015

2º Homicídio do mês em Padre Paraíso.


Em 12-04-2015 por volta da 19:h40min E.R.Leite “Vulgo Cece”  foi encontrado tombado  em uma travessa  entre a  Rua D. José Maria Pires e o escadão da BR 116, local escuro e de difícil acesso. Bairro Olinto Vieira (Morro do Sapo).

A PM foi acionada estavam  no local do crime  a guarnição composta   pelo Sd. Henrique e Sd.  Laender   aguardando a chegada da Policia Técnica  que já havia deslocado da Cidade de Pedra Azul a 155 KM de Padre Paraíso.

É o 2º Homicídio a menos de 15 dias em Padre Paraíso.

Vereadores de Medina acumulam diárias com repetidas visitas a gabinetes de deputados em BH

"Reportagem do Coruja do Vale do dia 12 de abril de 2015"



Políticos receberam em diárias até cinco vezes o valor dos seus vencimentos anuais; pelo menos quatro ganharam R$ 72,4 mil em 2014 pelas viagens

A grande maioria das visitas feitas pelos vereadores de Medina foi para o gabinete do deputado Duarte Bechir

Se não dá para fazer cursos de especialização em praias paradisíacas, como aconteceu em Ipatinga, viagens frequentes à capital mineira, principalmente, e também a Brasília ajudaram vereadores de Medina – no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres do Brasil – a reforçar seus salários. Eles receberam em diárias até cinco vezes o valor dos seus vencimentos anuais. Alvo de investigação sigilosa do Ministério Público Estadual, pelo menos quatro vereadores da cidade consumiram R$ 72,4 mil em 2014 para visitar gabinetes de deputados e órgãos públicos em Belo Horizonte e na capital federal. O valor pode até não chamar tanto a atenção, mas quando se considera a arrecadação de Medina, que não superou R$ 897 mil em janeiro de 2014, ele passa a ter um peso considerável nas contas públicas: representa 8% dessa receita mensal. Isso, sem considerar o gasto com os salários dos parlamentares, que chega a R$ 4,5 mil, e com a verba indenizatória, de R$ 2,2 mil. É bom ressaltar que os vereadores só participam de duas sessões plenárias por mês.

O campeão dos gastos com viagens a Belo Horizonte (a 670 quilômetros de distância de Medina) e a Brasília (a 930 quilômetros) é o vereador Sílvio de Azevedo (PSL), que recebeu R$ 22.240 somente em diárias no ano passado. Em seguida, está o vereador Ailson Batista Figueiredo, o Codó (PTB), com despesas de viagem no valor de R$ 17.828, que é acompanhado de perto por Domingos Edson Braga, o Dú Braga (PRB), que consumiu R$ 17.528,00. O presidente da Câmara, vereador Elísio Simões de Oliveira, o Lila (PMN), também não deu bom exemplo, gastando outros R$ 14.828 com diárias.

O que salta aos olhos não são apenas os valores gastos. A grande maioria das viagens de Lila, Codó e Sílvio Azevedo foi para visitas ao gabinete do deputado estadual Duarte Bechir (PSD), que teve a terceira maior votação na cidade, onde recebeu 1.444 votos em 2014. Parte dos atestados de presença – usados para justificar na Câmara de Medina a viagem a BH – era assinada pelo chefe de gabinete de Bechir, Jacó Souza Soares, denunciado pelo Ministério Público por envolvimento na Operação Pasárgada, que em 2008 apurou fraude de cerca de R$ 200 milhões, por meio de certidões negativas inidôneas de INSS para liberação do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para diversas cidades de Minas.

Sexta-feira Lila, que, como presidente do Legislativo municipal, autorizou as viagens, esteve pelo menos nove vezes no gabinete do parlamentar no ano passado. E mais: a cada viagem, eram pagas nunca menos que três diárias. Apesar de sexta-feira ser tradicionalmente um dia de pouca atividade parlamentar e normalmente usado pelos deputados para viajar às suas bases no interior, Lila veio a Belo Horizonte nas sextas-feiras 7 e 14 de março e 2 de maio do ano passado. Para as visitas em março, o parlamentar recebeu cinco diárias no total, cobrindo as despesas também no fim de semana, quando não há atividade parlamentar ou funcionamento de órgãos públicos. Em maio, foram quatro diárias para Brasília, a partir do dia 2, para participar da 2ª Mobilização Nacional de Vereadores em Brasília, que aconteceu apenas nos dias 6,7, e 8 daquele mês. Lila ainda deixou de comparecer a uma das duas únicas sessões mensais da Câmara Municipal em março. No dia 14, ele esteve no gabinete do deputado Bechir e recebeu duas diárias. As sessões da Câmara acontecem sempre nos dias 1º e 15 de cada mês.


Socorro Mas Lila não está sozinho. O campeão da gastança, vereador Sílvio Azevedo, também veio se socorrer ao deputado Duarte Bechir pelo menos oito vezes e, assim como o presidente da Casa, durante fins de semana e feriados. Durante o mês de maio, o parlamentar passou apenas 16 dias em sua cidade. No dia 2 daquele mês, uma sexta-feira, ele embarcou para Brasília, para acompanhar Lila na 2ª Mobilização Nacional de Vereadores, na capital federal. Passou lá quatro dias. Já no dia 12, retornou à capital para visitar o gabinete do deputado federal Rodrigo de Castro (PSDB), sob a alegação de buscar recursos para seu município. Recebeu uma diária. Novamente no dia 16, outra sexta-feira, veio a Belo Horizonte para visita ao mesmo parlamentar e permaneceu na cidade por cinco dias. E, finalmente, na sexta-feira, dia 30, retornou à capital mineira para, desta vez, uma visita ao gabinete do deputado Gustavo Corrêa (DEM). As demais viagens a BH, em julho, agosto, setembro e outubro, foram para visita ao gabinete de Bechir.

Rezando na mesma cartilha, o vereador Codó veio a Belo Horizonte pelo menos sete vezes para visita também a Bechir, entre março e dezembro do ano passado. As justificativas para a visita se resumiram a “tratar de assunto de interesse do município de Medina”. Codó também optou por viajar algumas vezes na sexta-feira e retomar seus contatos somente na segunda-feira, em razão do fim de semana. No entanto, as diárias englobaram os dias de descanso. Por sua vez, o vereador Domingos, apesar das várias viagens à capital, visitou outros gabinetes de deputados, além do de Bechir, como Mauro Lopes (PMDB), Rômulo Veneroso (PV), Duílio de Castro (PMN) e Sebastião Costa (PPS).


Confirmação O chefe de gabinete do deputado Duarte Bechir, Jacó Souza Soares, confirmou que a presença de vereadores de Medina no gabinete é frequente. Segundo ele, o deputado auxilia os políticos no agendamento de audiências com autoridades estaduais e também para participação de audiências públicas de interesse do município. No entanto, Jacó disse que não tem conhecimento de ter atestado a presença dos vereadores em feriados ou fins de semana. Jacó – que, de acordo com o Diário Legislativo de 26 de fevereiro, foi nomeado técnico executivo de gabinete II, por 8 horas, com exercício no gabinete da liderança do bloco Belo Compromisso com Minas – disse que não está formalmente acusado de envolvimento na fraude do FPM, revelada pela Operação Pasárgada, e, por isso, não existe impedimento no exercício da função.

O vereador Lila confirmou que já enviou à promotora Vanessa Aparecida Góes os relatórios das viagens e das diárias recebidas. No dia 17 de março, ela solicitou a remessa das informações de forma “pormenorizada e dividida por mês, o quantitativo das diárias concedidas” aos vereadores Lila, Sílvio Azevedo, Codó e Domingos Braga. No entanto, Lila disse que não há qualquer irregularidade nas idas a Belo Horizonte e Brasília. Segundo ele, as diárias referentes aos fins de semana são devolvidas aos cofres públicos e, portanto, os valores do portal da transparência do Tribunal de Contas do Estado refletem apenas o que foi “empenhado” para pagamento, e não o valor efetivamente pago. Os demais vereadores foram procurados pelo Estado de Minas e não retornaram as ligações.

Cursos no litoral

No mês passado, o Estado de Minas publicou uma série de reportagens sobre os gastos abusivos com diárias de viagem dos vereadores de Ipatinga, no Vale do Aço. Sob a justificativa de que estariam participando de cursos de aperfeiçoamento, os parlamentares viajaram para várias cidades do litoral nordestino, como Natal, Fortaleza, Maceió e João Pessoa, além de outros polos turísticos, como Foz do Iguaçu e Florianópolis. Um dos cursos frequentados por um grupo de vereadores, devidamente remunerados por diárias, aconteceu em Fortaleza entre 26 e 31 de dezembro, intervalo entre dois feriados e que tradicionalmente é reservado para festas de fim de ano. O Ministério Público já abriu um procedimento para investigar a gastança do dinheiro público.

"Reporter Metzker"